5 passos para reduzir custos na produção de rótulos e etiquetas

Comprar matéria prima com preços menores não é suficiente. O seu concorrente faz o mesmo. Vender no melhor preço possível é muito difícil. Já foi esse tempo. Não que você não deva fazer isso. Claro que deve buscar preço justo pelos insumos e negociar um valor justo de venda pelo seu produto. Mas o ponto aqui é o seguinte: precisará olhar para seu processo e ver como poderá cortar custos RELEVANTES. Sim, digo relevantes, porque muitas vezes se corta custos que não impactam no custo final. Aliás, muito pelo contrário, economias “do palito” não são bem-vindas numa gestão focada em resultados. Portanto, deixa abaixo cinco passos que acredito, irá ajudá-lo na gestão desses custos.

  1. Entenda quais são os custos relevantes do seu negócio: faça cursos, assista palestras e busque informações com quem entende. Se você tem um sistema de ERP ou software de gerenciamento da produção, muito bem. Mas se não tem, vai na planilha Excel mesmo. Importante é o conceito e não a ferramenta.
  2. Tenha os custos na ponta do lápis: o ex técnico de vários times do Brasil e da Seleção Brasileira, Luiz Felipe Scolari costuma dizer: “Se tu não sabes porque ganha, também não saberás porque perde.” E ele tem razão. Você precisa urgentemente saber quais são os custos inerentes aos processos e produtos que você faz para poder gerenciá-los bem. Vale a pena o investimento de tempo (e até de gente) nesse quesito.
  3. Não faça a “economia do palito”: Esse ditado nasceu do costume de alguém na cozinha acender outra boca do fogão, utilizando um palito já queimado para transferir o fogo e evitar a queima de outro palito. O risco de queimar o dedo não justifica. Vou dar um exemplo: tem gente que quer economizar em lâmina raspadora (faca). Não vale a pena. Não é relevante. Pior é que lâminas muito baratas podem danificar seu anilox! Esteja certo de buscar reduzir custos que são relevantes, mas que “protegem” ao mesmo tempo seu produto e processo de produção.
  4. Crie KPIs que meçam o consumo real e estabeleça metas de redução de custos: os KPIs (Key Performance Indicator) ou ainda indicador-chave de desempenho é a maneira mais justa e clara de acompanhamento dos custos de produção. Crie seus indicares e verá os custos como nunca viu antes. Exemplos de indicadores na fabricação de rótulos e etiquetas: consumo de tinta/m2 produzido; custo da matéria prima/m2 produzido (ou faturado); kwh/m2 produzido; insumos auxiliares (dupla-face, facas, limpadores de anilox, etc)/quilo produzido (ou m2 ou metro linear). Custos com clichês também. Veja se consegue fazer um histórico e estabeleça metas para a equipe. Cuidado: não crie muitos indicadores. Menos é mais.
  5. Faça reuniões mensais sobre os KPIs de custos: agora com as metas de redução de custos (e essas metas pode ser feitas juntos com a equipe preliminarmente), marque reuniões mensais para entrega dos resultados do alcance dessas metas. Crie uma rotina em que cada gestor da conta apresentará os resultados, as justificativas para o alcance ou não das metas e uma pequena lista de ações (ou um plano simples de ações) para alcance dessas metas. Não critique ideias. Ao ajudar a equipe, você ajudará você mesmo como gestor e dando a direção correta para todos.

Assim, gerenciar custo não está no topo da lista dos gestores. E isso por uma razão simples: dá trabalho. No entanto, ao passo que você estabelecer uma rotina, as pessoas tomarão para si o desafio de reduzir custos de maneira saudável e sem prejudicar a qualidade, lead time ou o processo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima