Habilidades de Liderança: como lidar com dissidências e desobediência

A menos que você seja um déspota discreto, as chances são de que você não goste de dizer aos outros o que fazer ou repreendê-los. Especialmente se tem que chamar atenção de um membro da sua equipe ou até mesmo discipliná-lo mais de uma vez.

Parabéns a você se você se sente assim! Você tem o que é preciso para ser um bom líder!

São os déspotas loucos por poder que tem prazer desmedido em chamar a atenção, humilhar e ameaçar os membros da equipe.

Mas embora não seja uma coisa boa ter prazer em impor sua vontade, também não é útil enterrar sua cabeça e fingir que todos podem fazer o que quiser e se dar bem. Não é assim que o mundo funciona.

A verdade é que o poder convida a desafios. Quando você se coloca em uma posição de autoridade, outros serão naturalmente encorajados a desafiar essa autoridade.

E isso significa que:

  • Às vezes, você vai ter que tomar decisões difíceis.
  • Às vezes, você terá que ter conversas difíceis.
  • Às vezes, você precisa disciplinar sua equipe.

Como não lidar com a disciplina:

A pior coisa que você pode fazer quando se trata de disciplinar os membros da sua equipe é gritar ou perder a calma.

Esta é uma má atitude por várias razões:

  • Faz você parecer que perdeu o controle.
  • Ele convida a mais pessoas a desafiar sua autoridade.
  • Faz você parecer facilmente manipulado pelos outros.
  • Corre o risco dos funcionários tentar derrubá-lo por sabotarem os processos.
  • Se a equipe achar que é injusta sua revolta, poderão se unir para derrubá-lo.

A outra chave a ser lembrada  é que ser um chefe ou um líder não significa que você tem o direito de gritar ou repreender. A maneira mais eficaz de pensar sobre seu relacionamento com sua equipe é como uma parceria. Você faz parte dessa equipe e fechou um acordo com eles.

Eles concordaram em seguir suas instruções até onde for razoável e você concordou em mantê-las nos seus respectivos cargos.

Você não é o dono deles, você não os possui, e não é seu lugar tentar puni-los ou fazê-los se sentir pequenos ou humilhá-los. Você simplesmente expressa que eles estão violando os termos do seu acordo e que eles devem esperar os resultados devidos. Você poderá lembrar sua equipe que o combinado nunca é caro.

Já ouviu o ditado “o combinado nunca é caro?”, pois é, isso vale para você e sua equipe.

Seu trabalho, então, é remover a emoção e qualquer preconceito.  Em vez de levar para o lado pessoal, crie um procedimento simples para lidar com falhas ou erros propositais. Deixe isso bem claro no início do seu acordo com os membros da sua equipe e, em seguida, simplesmente siga o caminho como você esboçou.

Transformismo

A maior razão para não gritar ou envergonhar sua equipe também é a razão pela qual você não pode simplesmente ignorar as questões disruptivas e esperar que elas vão embora, porque não desaparecerão: ambas as ações podem fazer com que a situação se deteriore e piore sorrateiramente. Quando se der conta, os KPIs não são mais alcançados e as metas ficam cada vez mais distante.

Em outras palavras, se alguém está infeliz com sua liderança, pode tornar sua insatisfação conhecida pelos outros, e isso pode fazer com que mais da sua equipe se torne descontente e infeliz.

Com o tempo, essa insatisfação pode acabar se espalhando por toda a sua equipe e sendo incrivelmente destrutiva.

Isolar o indivíduo, entretanto, só faz com que ele se torne mais definido em suas opiniões e mais disruptivo quando retorna.

Então, o que você faz com alguém que é claramente crítico e mina sua liderança?

Uma opção é usar a técnica conhecida como Transformismo. Transformismo é um método para transformar um adversário político em aliado – e funciona em ambientes de trabalho e até familiar (pais e filhos).

Simplesmente, envolve pegar o dissidente ou crítico e, em seguida, colocá-los em uma posição de poder.

Por exemplo, alguém está infeliz com a forma como você está gerenciando os custos? Tudo bem: dê um projeto para ele gerir como acha que precisa ser feito. Agora ele está na berlinda.

Ao compartilhar a responsabilidade, você pode ajudar a demonstrar a complexidade da situação e, assim, silenciar muitas de suas críticas.

Se ele se sair bem, ótimo! Nesse caso todos ganham: ele porque alcançou o resultado e você porque o incumbiu e isso foi uma decisão acertada!

Ao mesmo tempo, isso significará trabalhar juntos (manter seus “inimigos” por perto!), e muitas vezes o ajudará a ganhar um novo respeito pelo que você faz e uma maior propensão para trabalhar em conjunto e ser um jogador de equipe.

Experimente e veja como funciona para sua equipe!

Até o próximo artigo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima